Páginas do Blog

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Foi tudo ótimo, mas ninguém gozou


Eles se conheceram numa dessas festinhas de faculdade. Logo conversaram muito, se beijaram, se pegaram e sentiram que tinha tudo pra dar certo no sexo. Foram embora juntos para um motel, ele tirou a roupa dela, ela tirou a roupa dele, beijos, camisinha, penetração, penetração, penetração, penetração... 10 minutos do mesmo jeito e nada. 15 minutos e nada. 30 minutos e nada. Cansaram. Ela se machucou um pouco de tanta fricção. Ninguém gozou.

No segundo encontro, a mesma coisa. No terceiro também. E assim durante um mês. Nada de gozar. Nem com sexo oral. Mas por quê? De quem era o problema? De quem era a culpa? Quem fazia algo errado?

Acho que não dá pra ir culpando o outro e a outra quando não há orgasmos em uma transa. Primeiro, porque quando você joga a responsabilidade do seu prazer no outro e na outra, você já está começando errado. E segundo, porque esse negócio de só há sexo se houver uma gozada no final é teoria do passado.

Claro que o orgasmo é um GRANDE FINAL! e sempre vai ser. Mas nem toda vez ter um orgasmo é obrigação. Por isso a mulherada começa a fingir, pra tirar os homens desesperados de cima dela logo.

Acontece que as pessoas são medrosas e custam a descobrir novos pontos de prazer no próprio corpo. Resumem o sexo apenas em meter-o-pau-na-buceta e se esquecem de outras zonas corporais que dão prazer (para homem e mulher. Esquece o tabu e preconceito), como: bumbum, cu, clitóris, grandes lábios, pescoço, língua, saco, períneo, umbigo, mamilos, seios, axilas, ombros, coxas, pés, pernas, braço, bochecha, boca, etc, etc, etc, etc... Ou seja, TODO o corpo pode ser um grande estímulo pra se chegar até o orgasmo.

E as pessoas são também ansiosas, principalmente o homem, pois sabemos que a maioria deles acha que pau duro all the time e muita porra é o que prova a masculinidade deles. Pobres, meninos. A ansiedade em tentar mostrar que é bom demais na cama com atitudes desesperadas como ficar na “britadeira” o tempo todo acaba resultando no caso acima: um mês sem gozar com a menina.

Então, calma. Relaxa. Compre uma camisinha extra-fina, se masturbe de outra forma e descubra outros pontos de prazer, não tenha pressa, não pense que a regra é APENAS sexo forte (não que seja ruim, não que seja ruim), faça alguma coisa diferente do usual, entendeu?

Assuma o domínio de seu corpo, perca a vergonha, se entregue e se conheça para então, finalmente, conseguir conhecer o corpo de outra pessoa e ouvir gritos de orgasmos pra todo lado!

Boa sorte.


4 comentários:

  1. Parabéns pelo texto Carol, adoro seu blog.

    E esse papo ai de não gozar acontece muito comigo, muitas das vezes por causa (acredito eu) da ansiedade do momento.
    Na maioria das vezes eu e minha namorada transamos e gozamos muito, mas como somos jovens e temos muita química, principalmente na cama, queremos sempre mais e mais, e é ai que começa, eu fico metendo nela durante uns 30 min depois da primeira gozada, e nada de gozar de novo, geralmente ela goza muitas vezes (ou como você disse, finge, eu não me importo, gosto de ouvi-la gritar de prazer no meu ouvido), mas eu paro de cansaço, até sinto falta de ar as vezes.

    Então não adianta ter pressa, é o que eu sempre digo, é melhor dar prazer do que receber, no fim você colhe os frutos.

    E rapazes, chega dessa de orgulho masculino, isso é só ilusão.
    E mete muito mesmo, e goza junto com ela, que não tem coisa melhor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é! Pode ser que ela realmente grite de prazer. Mas espero que sua namorada esteja bem lubrificada nesses 30 minutos, coitada! Ou ela pode ficar beeem machucada.

      Excluir
  2. Uma coisa que eu acho que é muito importante nessa coisa de descobrir o que é gostoso no sexo é a conversa. Não estou falando de sentar e ter uma "conversa séria" (embora essa também tenha se mostrado uma amiga importante na minha experiência, em alguns casos).

    Quando os sexeiros estão cheios de tesão costuma ser fácil ir achando o caminho pela intuição e pelo tato, mas tem vezes em que, por qualquer que seja a razão, nada substitui falar se tá bom, se tá ruim, pedir o que quer. E dá pra fazer até isso ser parte da brincadeira, até um 'assim não' falado com jeito no pé do ouvido pode ser gostoso!

    O que não dá é pra os dois ficarem frustrados porque um ou os dois não conseguiram identificar os 'sinais' e prever o que o outro queria, isso sim pode ser bem frustrante. Mas gente, sem questionário de controle de qualidade também né, tudo tem limite! =P

    ResponderExcluir
  3. ai carol... q delicia deve ser pegar vc nuazinha, querendo...

    ResponderExcluir